A Câmara dos Deputados restringiu recentemente o número de funcionários que podem realizar horas extras durante as oito sessões noturnas realizadas por mês. A medida trará uma economia de R$700 mil por sessão noturna.

O controle das horas extras só tornou-se possível graças a implantação do ponto eletrônico biométrico. Antes do sistema, cada sessão custava R$1,2 milhão, gasto que caiu para R$500 mil com a restrição de três funcionários fazendo hora extra por gabinete.

O ponto eletrônico, instituído pela Câmara em junho do ano passado, permitiu que se detectasse e restringisse a quantidade de funcionários trabalhando na Casa e recebendo hora extra. O sistema também permite o acesso ao banco de horas em tempo real, sem a necessidade de apurar os registros de ponto dos funcionários.

A aplicação da tecnologia de Ponto Eletrônico resulta em uma diminuição na ocorrência de erros e o desperdício de tempo operacional do departamento de Recursos Humanos da empresa, sem contar uma redução em até 96% do fechamento das contas em relações a outras formas manuais de registro. Além de possibilitar ao gestor obter dados específicos e emitir relatórios personalizados.

A economia gerada poderia ser ainda maior com a implantação de um sistema Controle de Acesso, que é realizado pela integração de diversos dispositivos, como catracas, controladores de porta e cancelas, geridos por uma única central. Com ela, também é possível acompanhar tudo o que acontece e recuperar as imagens do sistema de monitoramento por câmeras.

O sistema de Controle de Acesso tem a capacidade de bloquear acessos de entradas e saídas fora da jornada de trabalho ou de horários previamente determinados ou liberados pelo responsável. Além disso, o controle de acesso torna possível agendar a utilização de espaços da empresa, como salas de reunião ou áreas recreativas.

Se você quer saber como sua organização também pode realizar economia, através dos benefícios de um controle de ponto e acesso eficientes, entre em contato com nossa equipe.