Empresa referência em sistema de Ponto Eletrônico, a Insoft4 tem um case de sucesso quando se trata de mulheres poderosas. Hoje, apresenta-se a Coordenadora do setor de Suporte Técnico, Cristina Machado Ribeiro, de 36 anos.

Cristina trabalha na Inosft4 há 11 anos. Começou, no primeiro ano, como estagiária, até ser promovida a Técnica de Suporte, passando por todos os níveis dos cargos: júnior, pleno e sênior. Mais tarde, por ser muito organizada, começou a fazer os manuais dos sistemas desenvolvidos pela empresa, destacando-se na realização de treinamentos internos e em clientes.

Participou do lançamento do sistema Ponto Soft Express e deu todos os treinamentos para as revendas. É formada em Sistemas de Informação, com pós em Qualidade de Software. Foi indicada a participar do processo seletivo de Coordenador de Suporte, que aconteceu internamente no setor. No decorrer do processo, a equipe foi questionada, buscando indicações para quem deveria ocupar esse cargo. Nesse sentido, por votação da maioria da equipe, o nome da Cristina foi sugerido.

Cristina afirma que foi desafiador aprender a administrar uma equipe inteira, quando antigamente precisava administrar somente a si mesma. Sentiu muita dificuldade no início, sendo cobrada e necessitando apresentar resultados, mas agradece muito o apoio da direção e do seu antigo gestor, que atualmente é o gerente de projetos na empresa.

Contou, também, com o apoio da consultoria de RH, que a empresa possuía na época, auxiliando-a a lidar com situações de gestão de pessoas e na administração de conflitos entre os colaboradores. Afirma também que, hoje, tem uma equipe muito boa e um relacionamento bem tranquilo.

Cristina complementa, ainda, que conquistou a confiança da direção por ser uma pessoa responsável, por se preocupar com os processos, bem como,com as pessoas da empresa e clientes. Disse que sempre buscou fazer as coisas da forma mais coerente e correta possível. Acredita, assim, que suas ações refletem o seu desempenho e nunca sofreu nenhum tipo de preconceito pelo fato de ser uma mulher e liderar uma equipe de maioria masculina.