Gravidez não impede contratação!

 

Jaque, trabalhou na Insoft4 entre 2010/2012 e solicitou para sair, pois visava outra oportunidade de crescimento. Contudo, em poucos meses, enviou o texto abaixo para mim e acabou sendo contratada durante sua gravidez!

Ficou por mais uns 3 anos, até que em 2016 e devido ao seu talento e competência, passou entre os primeiros em um concurso público que prestou, e está compartilhando seus conhecimentos por lá até hoje.

"Leonardo, boa tarde. Demorei até tomar a decisão de te escrever. Mas, como sempre tivemos um bom diálogo, acredito que eu esteja fazendo a coisa certa. Pelo menos, o que meu coração está mandando. Desde que vim trabalhar em outra função e outra empresa, tenho me sentido estranha, se não, totalmente desanimada. Quando resolvi sair da Insoft, todo mundo que me conhece, dizia: "Mas Jaque, tu não gosta tanto dessa empresa, o que aconteceu que está saindo?" Pois eu falei bem da Insoft desde o primeiro momento que entrei até a minha despedida. Saí, mas uma parte do meu coração permaneceu aí. Fico até sem jeito de te mandar esse email, mas sempre fui muito sincera e verdadeira comigo e com os outros, ou seja, se eu sinto vontade e tenho certeza, eu devo falar mesmo, só assim saberei das respostas que preciso na vida. O “não” eu sei que já tenho, eu preciso correr atrás do “sim”. Bom, quando vim pra outra função, como eu estava contando, achava que seria uma coisa e foi outra, e estou aqui, humildemente, manifestando a você o meu arrependimento. As pessoas daqui são muito legais, todos me tratam bem e me ajudam sempre que preciso. Mas eu não estou conseguindo oferecer o meu melhor, estou triste por isso, pois não posso continuar em um lugar onde não estou contribuindo da melhor forma com meu trabalho. Familiares me diziam: "Na Insoft tu era bem mais feliz". E cheguei à conclusão que é verdade. Eu gostava muito de trabalhar aí e saí para arriscar algo. Eu arrisquei. Depois que eles, notaram a minha decepção, passaram a me incentivar a falar contigo. Mas existe uma série de coisas que me impediam e me deixam com ”medo de tentar” até agora: 1º Já tem uma pessoa aí de marketing, não quero interferir, não sei como está o trabalho dela; 2º Será que a Insoft poderia me querer de volta?; 3º Está vindo um bebezinho; 4º Não quero, de forma alguma que você e seus sócios pensem que eu quero voltar por causa da distância. Não, não é isso. Eu tenho certeza que se eu estivesse feliz no meu trabalho, a distância não impediria em nada. Dessa forma, quero aqui, manifestar à pessoa mais certa, você, essa vontade que tenho de voltar a trabalhar e fazer mais pela Insoft (parece frase de político..hehe). Eu lembro que uma vez eu disse a você que sentia tamanho carinho por essa empresa e que sempre agi como se ela fosse minha... esse sentimento não mudou. Essa mudança me ajudou no seguinte: eu aprendi muito aqui e posso contribuir com esse aprendizado aí na Insoft. Tem muita coisa a se fazer. Leonardo, peço que seja sincero, como sempre, e me fale se estou blefando ou se há possibilidade de eu voltar. Eu sei que o fato de eu estar grávida, pode ser um baita empecilho, pela licença maternidade. Mas se você acreditar que a minha volta vale a pena e pode beneficiar a empresa conta comigo! Eu sei dizer que aumento de salário algum seria capaz de me fazer mudar a opinião quanto a minha atividade atual. Motivação vai muito além desse retorno, embora ele seja muito importante e foi importante enquanto eu estava aí, tanto é que você me deu aumentos, sem eu perceber que o meu trabalho estava me proporcionado aquilo, era automático: eu dava o meu melhor e o reconhecimento aparecia. O texto ficou extenso, mas eu precisava fazer com que você sentisse, entendesse esse meu sentimento e ficasse sabendo dessa vontade. O que acha disso tudo?Jaque

Não estamos aqui somente para reter talentos e sim para aproveitar e potencializar o melhor de cada pessoa durante o tempo que ela quiser!

Leonardo José Stangherlin.

Diretor Administrativo do Grupo Insoft4